Vamos conversar sobre as adversidades que atravessam o teu caminho? Será que você é responsável por alguma delas?

Neste texto vamos refletir sobre:

  • Como nos preparar para enfrentar as consequencias de nossas ações?
  • Podemos escolher os problemas que enfrentamos?


 Enquanto psicóloga, tenho atendido diversos casos onde as pessoas reclamam de suas vidas. Se mostram insatisfeitas com o seu emprego, sua família, seu relacionamento. Parecem enxergar o mundo como se este fosse um grande vilão que as persegue, trazendo uma imensidade de dificuldades para suas vidas. Para estas pessoas, o lado ruim está sempre sob a responsabilidade de um terceiro, seja seu chefe, sua namorada, seus filhos. É difícil compreender que cada um de nós tenha uma boa parcela de responsabilidade dentro das adversidades apresentadas a cada dia.

  Isto é, talvez, algo difícil de compreender. Foi difícil para mim também, pois não sou muito diferente dessas pessoas, embora, após a compreensão do que realmente acontece, a minha vida tenha melhorado imensamente.

    Os problemas acontecem. Mesmo que tudo na sua vida esteja aparentemente perfeito, algo cedo ou tarde, irá tentar tirar as coisas do lugar. Muitas vezes, os problemas aparecem para fazer você mudar o rumo de suas atitudes e observar qual é o melhor caminho para seguir daquele momento em diante. Mas, você pode aprender com esse processo. Ao realizar uma auto observação de como cada problema se desenvolve e de como você possui inteira responsabilidade diante de cada acontecimento que ocorre em sua vida.

   Por exemplo, se as coisas andam mal no trabalho, você pode optar por reclamar e sentir-se como vitima da situação, ou observar o que está acontecendo e quais são as suas implicações dentro deste contexto. Você não optou por este emprego? Será que permanecer nele é a melhor opção? Há alguma atitude que você deve tomar para que essa situação possa se resolver?

Atitude

     É a partir de suas escolhas e ações, que a vida se desenrola. Você já percebeu como algumas de suas atitudes poderiam ser capazes de amenizar ou aniquilar certos problemas do dia a dia? Se você se encontra em um relacionamento complicado, pode pensar que você escolheu estar naquele relacionamento e que, se insiste em manter a relação, terá que estar disposto a lidar com os defeitos e qualidades da outra pessoa. Claro, que se esses defeitos superam as qualidades, você também têm a opção de finalizar este relacionamento e buscar outro que mais se adeque ao que você deseja.

   Parece simples, não? Opções! Você está o tempo todo podendo escolher. Porém, quando estamos tomados pelo nosso lado emocional, seja em um momento de tristeza ou raiva, não é nada fácil enxergar a responsabilidade de nossas escolhas. É muito mais fácil culpar o outro por não se adequar às nossas expectativas do que admitir que precisamos fazer outras escolhas e trilhar outros caminhos.

   Mudar a forma de como a sua vida está caminhando não é nada fácil. No exemplo do relacionamento, pode ser que já estejam juntos há muito tempo ou que tenham filhos para cuidar. Nem sempre você é capaz de fazer as escolhas que deseja, mas esse é o ponto mais importante.

   Em grande parte das vezes, observei que quando as pessoas tomam as decisões que mais refletem aquilo que elas querem, o contexto de suas vidas acaba mudando e sua forma de encarar o que acontece ao seu redor se torna muito mais madura. Mesmo que você pense que não conseguirá sair de uma determinada situação, observo que quando se faz a melhor escolha para si, a vida simplesmente se ajusta de uma forma a se tornar mais leve. Utilizando novamente o exemplo do casal acima, talvez não consigam se separar por causa dos filhos, porém muitas vezes, o melhor a ser feito é justamente a separação para que as crianças cresçam em um ambiente sem brigas e discussões. E, na maioria das vezes, o casal reconhece que isso é o que de fato deve ser feito.

   Não estou dizendo que as nossas atitudes devem ser tomadas através de um simples impulso, mas sim, de uma observação do contexto geral. Se o casal acima, ainda sentir que ama um ao outro, poderia perceber que o melhor a ser feito é não se separar, mas abraçar uma nova forma de convivência entre ambos. O fato é que, ao invés de culpar o parceiro pelas infelicidades do relacionamento e pensar-se como vítima, deve-se perceber que existe uma parcela de cada um diante daquele contexto.

Podemos escolher os nossos problemas?

   Primeiro você precisa compreender os seguintes pontos:

  • Os problemas sempre vão aparecer independentemente das escolhas que foram realizadas.
  • Todas as suas escolhas possuirão consequências boas e ruins
  • Observando as possíveis consequências de cada ato, você pode escolher quais os problemas seriam, aparentemente, mais fáceis de lidar.
  • Quando você se coloca em posição de vítima diante dos problemas, não reconhecendo a sua responsabilidade diante deles, torna-se mais difícil conseguir resolvê-los.

   Vou ilustrar tudo isso com um exemplo simples que aconteceu comigo.

    Quando finalizei o ensino médio, fui fazer o curso de jornalismo e com o passar dos meses, fui me desencantando com todas as matérias. Eu culpava o curso o tempo todo, dizendo que ele era ruim, achava as matérias difíceis e afirmava que eu não estava satisfeita. Nem sentia vontade de ir às aulas, o que me fez perder algumas cadeiras no quarto semestre. Até que eu percebi que a única pessoa responsável por aquilo tudo era eu mesmo! Não eram as pessoas da classe, que eu achava entediantes, ou a coordenação do curso que era incompetente. Simplesmente, eu é que não me encaixava naquele contexto.

    Decidi, então, fazer algo de que gostasse e observei muitos cursos, ponderando cuidadosamente cada um deles, até que me deparei com psicologia. Pensei em possíveis problemas que iria enfrentar, possíveis prazeres que iria sentir e percebi que esse seria um caminho que eu estava disposta a trilhar. Compreendendo que tudo o que acontecesse pela frente seria de minha inteira responsabilidade por ter feito aquela escolha. Fiz tudo isso sem ter me dado conta do que estava fazendo, mas eu estava, de fato, escolhendo não só os problemas que enfrentaria, mas também as coisas boas. Percebendo que eu estava no controle das minhas escolhas, pude me ver cada vez com mais responsabilidade diante do que me acontece e, cada vez menos, como vítima das situações.

       É claro que há problemas que não podemos escolher. A vida, às vezes nos surpreende! Seja através de uma doença ou acidente, podemos nos sentir que entramos em uma armadilha. Mas esse é assunto para um outro texto!!!

Se você precisa de ajuda para compreender o seu poder interior de escolher os problemas que pode enfrentar, talvez seja  o momento de procurar um profissional de psicologia. Ele pode te auxiliar a realizar uma auto observação e a expandir sua maneira de enxergar novos caminhos! Acesse www.expire.com.br e conta para a gente o que está acontecendo! Temos uma equipe de psicólogos, que realizam atendimento online, para te ajudar!